Feed de RSS

AENSM

terça-feira, 27 de outubro de 2020

20-10-20 A Lenda de St.ª Iria

 As Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas Nuno de Sta. Maria, não podiam deixar de assinalar o dia de St.ª Iria, padroeira da cidade de Tomar.


A Santa Iria esteve em exposição na BECRE da EDNAP bem como uma pequena mostra da feira dos frutos secos.


A epidemia não pode ser impeditiva de manter as tradições, temos que nos reinventar, adaptar e continuar.


Carmen Carvalho


segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Alimentação e Vida Saudável

Outubro é o mês internacional das Bibliotecas Escolares e o mote este ano é: “Descobrir caminhos para a Saúde e o Bem-estar”.


Não podia ser mais pertinente o tema, no difícil tempo que atravessamos.


Manter a saúde física e psicológica é essencial para enfrentarmos os novos desafios impostos pela pandemia.


Nas Bibliotecas Escolares do Agrupamento Nuno de Santa Maria aproveitámos a comemoração do Dia da Alimentação (16 de outubro) e realizámos várias sessões de sensibilização e promoção de hábitos de vida saudáveis.


As nossas ações vão continuar durante o mês de novembro.


 A máxima: "de pequenino se torce o pepino" faz cada vez mais sentido, no contexto educativo.

Carmen Carvalho

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Academia de Líderes UBUNTU

Neste tempo de grandes mudanças, o nosso agrupamento abraçou um novo desafio e através do Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar e com o apoio da Câmara Municipal de Tomar.  Vamos acolher na nossa casa a Academia de Líderes Ubuntu (ALU).

A equipa de líderes Ubunto do AENSM

A ALU tem como objetivo capacitar jovens e educadores para uma participação ativa e consciente no cuidado a si, aos outros e ao planeta em que vivemos, criando novos líderes servidores para um futuro mais colorido.

Os líderes de Tomar, Ourém e Batalha

Iniciámos este projeto com a formação dos educadores que vão levar a magia Ubuntu ao Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, que decorreu em Tomar e na Batalha nos dias 15 e 16 de outubro.

Momento da assinatura do protocolo com a CMT

Eu sou porque tu és e juntos iremos construir um mundo melhor!


quinta-feira, 22 de outubro de 2020

DIA 5 DE OUTUBRO - IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA

A Biblioteca da EDNAP não deixou de assinalar o dia 5 de outubro…


A Professora Ilda percorreu várias turmas no sentido de aferir os conhecimentos dos alunos relativamente ao motivo de ter havido um feriado no dia em questão.


Após a surpresa inicial, pois não contavam com a visita e ainda menos com a forma divertida como a professora se apresentou, os alunos responderam a várias questões sobre o fim da monarquia e os primeiros tempos da República e, foram ainda incentivados a pronunciarem-se sobre o Hino de Portugal cantando-o.


Esta atividade foi do agrado dos alunos que se mostraram interessados e divertidos.


A forma como se apresentam as temáticas faz toda a diferença na captação da atenção e na criação de memórias que ajudam a relembrar factos importantes.


Carmen Carvalho


quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Excelentes pessoas!

Este ano é tudo diferente.

O “afastamento social” tem-nos roubado muitos momentos, tem-nos escondido muitos rostos, tem-nos desenlaçado muitos abraços e sonegado muitos beijos. De repente, tornou-se mais difícil encontrarmo-nos e celebrarmos juntos o facto de coexistirmos.
Torna-se, pois, vital não deixarmos esquecer o que é realmente importante e não deixarmos de festejar os sucessos e os triunfos que vamos vivendo.


A ESSMO voltou a colocar mais de 100 alunos no Ensino Superior. O AENSM acabou de entregar ao futuro mais de uma centena de profissionais com formação superior. Tomar repetiu, através desta escola / agrupamento, um conjunto de jovens prontos a ocupar alguns dos cargos de excelência das próximas décadas.

Três dos novos universitários, saídos da ESSMO

Será que todos temos consciência disso?

Será que Tomar – a cidade; o município; a comunicação social local – reconhece devidamente o quadro de excelência que todos os anos – sucessivamente! – o AENSM vai formando e entregando ao futuro? Às vezes, receio que não.

Este ano – outra vez! – a ESSMO (e Tomar) colocou uma dezena de alunos em cursos cuja média de colocação foi superior a 18 valores.

Este ano – outra vez! – há alunos da ESSMO (e de Tomar) a integrar os melhores cursos nacionais de Engenharia, de Medicina, de Arquitetura, de Gestão, de Informática, de Investigação

Este ano – outra vez! – há alunos da ESSMO (e de Tomar) espalhados por todo o país (do Minho ao Algarve) a levar o nome da escola, do agrupamento (e de Tomar) às melhores salas de aula e às melhores Universidades.

Seria importante celebrá-los!

Dentro das limitações deste “Estado de Contingência” em que nos contemos, fui falar com alguns desses alunos. Já são poucos os que estão por cá. Muitos já estão a fazer “a grande mudança”, como me respondia por mail a Mariana Henriques. Mas ainda foi possível falar com alguns.

E a conversa foi – como sempre! – interessante.


Colocações

O Pedro Marques dizia-me que o momento em que chegou a notícia da sua colocação (Medicina, em Lisboa) foi um momento de festa e celebração para todos lá em casa. Que a tia se emocionou muito e que, no fundo, mais do que ele, foi a família que entrou na Universidade.

Pedro Marques
[Medicina, Univ. Lisboa]

A Mariana Henriques também ficou muito feliz. «É um curso muito bom (Medicina Dentária) e que tem prática hospitalar desde o 1º ano. Além de mim, toda a família ficou também muito feliz já que temos raízes ainda nessa cidade. É como um voltar às origens.»

Já o Diogo Pires e o Manuel Santos não se empolgaram muito com a notícia da colocação… no fundo, já sabiam que iriam entrar em Engenharia Aeroespacial – que é só o curso com nota de colocação mais elevada do país [191,3] a par de Engenharia e Gestão Industrial e de Engenharia Física Tecnológica.

(Mas o Diogo e o Manuel entrariam em qualquer curso, de qualquer universidade, em qualquer ano, que escolhessem! Nem vos digo as médias com que estes dois jovens se candidataram. São “obscenas”!)

A determinado momento da conversa, eles devem ter reparado na minha cara e descansaram-me (ou “tentaram descansar”). Eles não estudavam muito. Na verdade, quase não estudaram! Tudo dependia de uma boa gestão do tempo. O Manuel ainda reconheceu que «tive que estudar muito para Piano. Foi a disciplina que me ocupou mais tempo.» Nas outras (Matemática, Português, Física, Química…), bastava estar atento e concentrado nas aulas.

– Piano?!

«Sim! Eu estive a tirar dois cursos secundários ao mesmo tempo: Ciências e Tecnologias (na ESSMO) e o articulado de Música / Piano (na SFGP).»

– E concorreste com a média de XXX,X?!?

«Sim!... É uma questão de organização de tempo e de hierarquia de prioridades.»

Fácil, não é? Pelo menos parece… Mas já o ano passado eu tinha ouvido o mesmo discurso nas palavas da Eva Claro. Se calhar, é mesmo assim!

Foi então que o Diogo Pires ajudou à explicação: «É uma questão de gestão de tempo e de se gostar do que se está a fazer. Eu também não tive que estudar muito, e tive sempre tempo para os meus hobbies: Guitarra e Desenho. E além disso, comecei a aprender Alemão. Se gostarmos do que estamos a fazer, não precisamos de estudar. Eu gosto muito de Matemática, Física, Química; então, muitas vezes eu ocupava os meus tempos livres a divertir-me com coisas relativas a estes hobbies…»

– Para ti, os sites de Matemática, Física e Química são como o Facebook, Instagram e Snapchat?

«Podemos dizer que… sim! Eu não tenho essas redes sociais, mas tenho tempo livre. Gasto-o a fazer o que gosto. E gosto de coisas como Matemática, Alemão, Guitarra… Ah! E aprendi a gostar de Geometria Descritiva. Ao princípio não gostava muito, mas depois a prof.ª Antónia Rodrigues fez-me gostar da disciplina e eu passei a divertir-me com os exercícios de Geometria. Deixou de ser um trabalho e passou a ser um passatempo!»


Sonhos

E quanto ao futuro? Que sonhos? Que perspetivas?

O Diogo Pires tem como horizonte possível ou provável a Alemanha. «É um país grande, com muitas saídas. Eu escolhi Engenharia Aeroespacial porque é um curso muito versátil e que permite muitos percursos profissionais. Não é só “aviões” e “satélites” como às vezes se pensa. Gostava de experimentar a “Engenharia Automóvel”.»

–  Ah! É por isso que decidiste começar a aprender Alemão?

«É preciso gerir o tempo e fazer as escolhas acertadas…»

Pois!

Diogo Pires
[Eng. Aeroespacial, Inst. Sup. Técnico]

O Manuel Santos escolheu “Aeroespacial” porque quer mesmo «seguir algo relacionado com o espaço. Talvez a NASA, nos EUA. Talvez a Agência Espacial Europeia (ESA) aqui na Europa. Ou então, algo relacionado com a indústria da aviação.»

Já Pedro Marques vê-se «nos Estados Unidos ou no Reino Unido. Gostava de fazer investigação. Mas gostava também de experimentar a política. O meu avô tem uma história relevante na política, o meu tio (na Noruega) também seguiu a carreira política; por isso a política também me é estimulante. Gostava de experimentar.»

 A Mariana, por trás da voz doce e sorriso fácil, reconheceu discretamente que o seu maior sonho é «acabar bem o curso. Depois se verá, mas penso começar a trabalhar logo depois de terminado o mestrado.»

–  Em Tomar?

«Não sei! Talvez. Mas não obrigatoriamente.»

–  Portugal é o teu limite?

«Sim... Portugal é o limite.»

A ESSMO

O Manuel Santos fala com carinho dos amigos que fez e tem desde o 5º ano. «Quer na EDNAP quer na ESSMO. Vou, certamente, lembrar-me muitas vezes deles. E lembrar-me-ei, certamente, de alguns professores que me marcaram profundamente. Gostava de referir o professor Eduardo Mendes, de História, que me fez gostar de História no 2º ciclo e o inesquecível professor José Carlos Antunes, que na ESSMO me deu toda uma outra perspetiva sobre a Filosofia e sobre a Psicologia. Foi “por causa dele” que tive a disciplina de Psicologia “a mais” no 12º ano.»

Manuel Santos
[Eng. Aeroespacial, Inst. Sup. Técnico]

A Mariana Henriques destacou os bons momentos que passou nesta escola. «Muitos e muito bons momentos! E os amigos! Vou ter muitas saudades dos meus amigos, ainda que vá tentar manter o contacto com todos. Mas vamos estar longe. Vou ter saudades das minhas amizades. Foi uma boa escola... Só tenho pena de não me ter envolvido em mais atividades nestes três anos. A escola tem muita oferta, há sempre projetos, concursos, ofertas extracurriculares e eu não aproveitei muito. Se fosse agora, ter-me-ia envolvido mais.»

–  Provavelmente trabalhaste para outras coisas... São escolhas que se têm que fazer!»

«Pois! Mas ainda assim...»

Mariana Henriques
[Medicina Dentária, Univ. Coimbra]

O Pedro Marques recorda com muita satisfação «os 3 anos que estive na ESSMO. Gostei muito desta escola. Fiz aqui amigos que serão para guardar durante muitos anos. E houve alguns professores que me marcaram para sempre; permito-me destacar o prof. Carlos Craveiro, professor de Biologia.»

Da passagem pela ESSMO, o Diogo destacou sobretudo os professores. Sobretudo os da área de Ciências. «Gostava de referir a prof.ª Antónia Rodrigues de Geometria Descritiva, e alguns professores que não tivemos…»

–  Desculpa! "Professores que não tiveram…?!?

«Sim! Por exemplo a prof.ª Júlia Quadros. Não sendo nossa professora, ajudou-nos sempre que precisámos. Nomeadamente na preparação para os exames. E a generalidade dos professores de Matemática. Os nossos foram sempre muito bons!»

Estava eu a ouvi-los e a pensar na importância que estes jovens reconhecem aos professores, quando o Manuel interrompe e diz:

«Eu e o Diogo já falámos sobre isto e queríamos deixar uma homenagem especial a duas das nossas professoras: a prof.ª Filipa Cotralha e a prof.ª Mafalda Luís. Foram ambas nossas professoras e queríamos deixar a nossa homenagem antes de irmos embora.»

(As professoras Filipa Cotralha [Fis-Qui] e Mafalda Luís [Mat] deixaram-nos prematura e  dolorosamente, vítimas de doenças do foro oncológico, tendo sido professoras de muitos destes 105 alunos que agora entraram para o Ensino Superior)

Calei-me… e fiquei com a certeza que para além de excelentes alunos, temos na escola excelentes pessoas! E garantidamente excelentes famílias e excelentes pais. Estas coisas vêm de casa, são espontâneas porque são hipodérmicas. São inatas e não formais. E tive que ficar calado por mais uns instantes...

E eles ainda voltaram:

«E levamos também muito boas recordações das atividades extracurriculares. Nós (o Diogo, o Manuel) e o João Pedro Rodrigues participámos num concurso de Estatística, promovido pelo INE, e fomos a equipa vencedora a nível nacional – ganhámos o 1º lugar em Portugal. E depois não se realizou a fase europeia por causa da Covid19. Mas foi muito importante para nós.»

E de repente lembrei-me de uma história parecida.

Talvez fosse interessante revisitar o artigo do ano passado:

"Abrir asas e voar"

A história parece repetir-se… mas mantém-se o facto de serem todos “Excelentes pessoas!


Alguns perguntar-se-ão porquê estes alunos e não outros. Foram tantos! Mais de 100...

Na impossibilidade de haver a Entrega dos Diplomas, foi preciso encontrar um critério. Um qualquer. Optei por contactar os alunos que foram colocados em cursos com médias de entrada superiores a 180 pontos. Contactei-os direta ou indiretamente a todos. Alguns não encontraram disponibilidade, outros não quiseram responder, outros não conseguiram chegar a tempo...

Mas a verdade é que foram 105 alunos que entraram numa outra fase da sua vida.

Todos, sem exceção, estão de parabéns! Todos conseguiram ultrapassar muitas dificuldades e muitos obstáculos. 

(Vá-se lá agora saber quem é que teve mais mérito, mais esforço, mais superação!?)

Que o céu seja o vosso limite!

(NR: no caso de Aeroespacial, podem passar esse limite!)

Todos nós nos orgulhamos de cada um de vós! 


José Paulo Vasconcelos